Você está em Espiritualidade >>>>> Acesse a página inicial de Espiritualidade

 

 

A HISTÓRIA DE JESUS

G. DE PARUCKER

 

 

Capítulo V

 

 

OS ENSINAMENTOS  DO AVATAR

 

 

Nos capítulos precedentes foram esboçadas as fundações ou chave da história esotérica ou mística de Jesus. Agora vamos fazer a pergunta: Quem foi de fato Jesus? Era Jesus um homem-deus, grande vidente, ou mito? A resposta é que Jesus foi um avatar.

            Avatar é uma palavra sânscrita. Significa descendente de um ser divino, não na carne humana, mas como se fosse direcionado à encarnação em carne humana. Significa o encampamento, ou mais corretamente falando, a supra-iluminação de algum grande e nobre homem por uma divindade, por um deus. De forma que, para usar uma linguagem comum, um avatar é um deus encarnado porque o nobre humano assim escolhido expressa através de si um pouco mais ou menos a maior parte do Supra-iluminador.

Jesus era um avatar, uma manifestação na forma de um ser humano, de um deus, de uma divindade – de um dos seres espirituais que controlam nossa parte no universo estelar. 

Um avatar é aquele que tem uma combinação de três elementos no seu ser: uma divindade inspiradora; uma intermediária e altamente evoluída natureza ou alma, o canal daquela divindade inspiradora; e um muito puro, limpo, corpo físico. Um avatar é uma manifestação parcial de uma divindade em um ser humano, e não é a manifestação do próprio deus interno de um homem; pois quando isso posteriormente acontece, então temos entre nós um Buda. Este é um termo técnico que significa um "despertado", aquele que manifesta a divindade que é o âmago verdadeiro de seu próprio ser. Mas um avatar não é a reencarnação de um ego reencarnando, e assim não é um ser unitário como os humanos comuns são, mas é aquele que aparece como uma grande glória entre homens, e que faz um trabalho especial na terra. Um avatar como uma unidade nunca tem um nascimento anterior, nem uma encarnação sucessiva.

 

O Avatar Jesus, por exemplo, nunca terá novamente um nascimento na terra, em outras palavras, nunca reencarnará; pois tal é um avatar: uma divindade que se manifesta através do aparato psicológico de um dos Mestres da Sabedoria e Compaixão e Paz que se dá para aquele propósito, para que os poderes sublimes da divindade então se manifestando possam se mostrar nele entre homens e ensiná-los.

 

Obviamente, então, como uma entidade particular composta, como uma composição físico-psicológica-espiritual, não é a reencarnação de uma entidade unitária precedente vinda de outras vidas como um ego reencarnando e tendo reencarnações futuras quando a presente vida terrena terminou, como é o caso com todos os outros seres humanos. Jesus como uma entidade nunca existiu antes, e nunca existirá novamente. Não é um caso de reencarnação aqui, mas o caso de um avatar: a encarnação, em certas circunstâncias muito místicas, de um raio de uma Divindade, do fogo de uma Divindade, com a finalidade de ensino cíclico. A vinda do raio lampeja pelos horizontes da história humana como uma grande Luz, e então se vai.

Mas o que acontece? Ações foram feitas, ensinamentos dados, de modo que talvez  o destino inteiro de raças de homens tenha sido mudado. Quem é responsável?  Aquela parte do avatar que era a natureza intermediária do ser avatárico que viveu. Um Avatar, como dito, consiste de três coisas: um corpo físico; uma parte intermediária; e um raio - naturalmente o fogo espiritual de um deus, de um ser divino, que trabalha através dessa parte intermediária; e ambos então se expressam pelo corpo físico.

 

 A parte intermediária de um avatar é fornecida por um dos Mestres da Sabedoria quem emprestou, seja assim, sua própria alma para este trabalho cíclico: quem emprestou sua própria natureza intermediária, de forma que o corpo santo da criança pudesse receber o fogo espiritual do deus ou divindade. Então o Mestre da Sabedoria que se emprestou, toma sobre si a carga de responsabilidade pelo que foi feito. É onde o carma inere: as consequências, e por conseguinte a responsabilidade.

 

Assim então, como Jesus era a manifestação, ou melhor, o canal para a manifestação, de uma porção dos poderes de uma divindade, ele era um homem-deus ou um deus-homem; era também, claro, ao mesmo tempo um grande sábio e vidente, pois sábio ele certamente era e mais enfaticamente vidente, porque teve sabedoria e  "viu".

 

Há duas classes de grandes iluminados espirituais humanos conhecidos como avatares[1] e os budas de compaixão. O avatar é um mistério natural sublime, não um mistério no sentido de inabilidade para entendê-lo, mas um mistério no sentido de que a pessoa comum nunca ouviu a explicação; enquanto um buda é aquele que atingiu a elevada estatura espiritual da irmandade dos budas pelos próprios esforços pessoais durante muitas vidas; e assim, e então, num sentido, realmente é - se a frase pode ser usada - superior até mesmo para um avatar.

 

Jesus pertencia à primeira classe, o avatar, e era, pois, como dito, uma manifestação direta de uma porção das forças de uma divindade trabalhando através do aparato psicológico de um dos Mestres da Compaixão e Sabedoria e Paz, que se deram para aquele propósito, de modo que naquele tempo cíclico que então tinha chegado no giro da roda do destino, a divindade particular envolvida no caso pudesse mostrar pelo menos um pouco de seus poderes sublimes entre os homens e ensiná-los, e mais uma vez indicar o caminho da verdade, da luz e da compaixão. Pois os Sábios não surgem irregularmente, fortuitamente, ou por casualidade. Eles surgem em períodos estabelecidos porque tudo no universo se move de acordo com ordem e lei. Consequentemente esses que sabem como calcular não necessitam nem mesmo consultar as estrelas. Eles sabem que depois de um certo período que uma grande alma  apareceu entre homens alguma outra grande alma virá.

 

Em absoluto não havia qualquer reencarnação no caso de Jesus o Avatar, porque ele não era a reencarnação de um ego que se reencarna. Um avatar é o que verdadeiramente pode ser definido como um ato de suprema magia branca. Os Mestres da Sabedoria e Compaixão e Paz sabiam que o tempo tinha chegado para a manifestação de uma divindade entre os homens, uma manifestação natural de um dos deuses com que o universo, e neste caso mais particularmente o sistema solar, está todo preenchido. Um dessa nobre companhia, dessa Fraternidade de Mestres da Sabedoria, se deu com a finalidade de permitir a essa divindade se manifestar através dele, e toldou o humano que estava para nascer – de um modo humano perfeitamente normal - na Palestina como uma criancinha: vivificou e inspirou aquele menino; e então, quando o tempo chegou, Jesus, então ou depois chamado por esse nome, quando atingiu a idade adulta, em um dos santuários dos Mistérios que existiram nesses dias, foi “batizado”, uma palavra técnica significando que ele fora "elevado” da humanidade dentro da divindade pela “descida” ou “avatar” da divindade sobre ele, que dali por diante trabalhou através dele. 

 

            Jesus o Avatar era um dos que seguiram todo o ensino esotérico do seu tempo em sua mocidade; ele foi iniciado nas Escolas de Mistério da Síria, do Oriente Próximo, em sua humanidade precoce. Foi um dos que haviam sido “crucificado, morto, enterrado, levantado dos mortos no terceiro dia, e ascendeu ao seu Pai no Céu”. Toda palavra deste recital é tomada literatim, literalmente, da linguagem da câmara de Iniciação - um exemplo do uso da língua mística antes aludida. Como então  é para se interpretar isso?

 

 

 

__________________________________

[1] Destes seres incomuns há também dois tipos - primeiramente, avatares humanos, do quais Jesus e Sankaracharya da Índia eram tipos, e secundariamente, avatares  não-humanos, tecnicamente chamados avatares anupapaudaka. Este último tipo refere somente ao que pode ser chamado um mistério cósmico. Anupapaudaka é uma palavra sânscrita combinada que literalmente significa "sem um pai", ou com mais precisão "aquele que não sucede" como um filho sucede seu pai dentro da sucessão consecutiva. Essa última classe de avatares levaria muito (tempo) para explicar num curto tratado. O estudante interessado neste ensino recorra a meu trabalho intitulado Glossário Oculto (Occult Glossary).

 

 

 

início do livro             página anterior                 página seguinte

 

 

 ® DIREITOS RESERVADOS - LEI 9610 dos Direitos Autorais, de 1998.