Você está em Espiritualidade >>>>> Acesse a página inicial de Espiritualidade

 

 

A HISTÓRIA DE JESUS

G. DE PARUCKER

 

Capítulo III

OS ENSINAMENTOS DE JESUS

Jesus o avatar sírio não ensinou nada novo. O que ele fez foi indicar mais uma vez o antigo, o antigo caminho à vida espiritual: o caminho para a sabedoria e poder espiritual. E ele disse aos seus seguidores como e o que poderiam encontrar se seguissem esses passos, de modo que poderiam se tornar o que ele era - e como ele estendeu sua sabedoria e poder; pois no coração do coração de todo ser humano há uma divindade, seu próprio deus interno, que os cristãos imbuídos de uma mente mística hoje chamam o Cristo imanente.

  Então cada um de vocês o tem dentro de seu poder de vontade e de seu poder de escolha para seguir essa trilha que os grandes videntes e sábios das eras passadas trilharam, e de se tornar como eles. Esse ensinamento inspirador jaz na base da razão para que se escolha ser um grande indivíduo e teça em torno de sua personalidade as lendas, como ele fez parecer na terra, um conto místico descrevendo na forma simbólica o que acontecia na câmara de iniciação.

Cada um desses grandes sábio e videntes, quer seja o Buda-Gautama da Índia, ou Lao-Tse da China, ou Sankaracharya da Índia de novo, ou Jesus, ou Empedocles, ou Pitágoras, ou Apolônio de Tiana: qualquer um dessa numerosa hoste, todos ensinaram as mesmas fundamentais doutrinas que eram, pois, idênticas. Quais eram alguns desses ensinamentos? “Homem, conhece a ti mesmo” Pois o autoconhecimento – o conhecimento do eu (self) espiritual superior – é o caminho da sabedoria, do entendimento, da luz, da paz, do poder, e isso vem ao homem pelo autoesquecimento, e o autoesquecimento é a batida mística à porta da câmara de iniciação do templo. Você não pode expressar poderes universais, não pode manifestar a divindade dentro de você (porque aquela divindade é completamente impessoal) se sua mente e coração estiverem restritos e aprisionados por seus desejos pessoais. Você tem que expandir sua natureza e tem que abri-la de modo a deixar a luz solar do espírito fluir para dentro de você. Então o autoesquecimento e a impessoalidade significam ganho de sabedoria e de grande e santo poder.

Um outro de seus ensinamentos foi que todo ser humano, toda entidade em qualquer lugar, é um filho do universo. O universo é a sua casa. Um homem está de fato, quando muito, em casa nos espaços estrelados enquanto está aqui neste planeta terra; e assim os grandes videntes e sábios também ensinaram que é possível um homem passar de esfera para esfera, de plano para plano, de sistema solar para sistema solar, como os ciclos da evolução evoluem; e que a sua curta estadia na terra é como se albergar numa taverna ou numa hospedaria por um dia e noite.

Esse nobre ensinamento evoca a realização da unidade essencial do todo que é; pois somos da substância do universo – cada um de nós seus filhos, uma parte inseparável dele; e portanto estamos em casa em qualquer lugar e assim permanecemos ao longo da duração infinita.

 Como aquele ensinamento corta a exata raiz do egoísmo e consequentemente do mal. Dá forte e inquestionável prova da realidade natural das éticas: como as éticas são encontradas na mesma estrutura e operações do universo, pelo Todo que é, que nós somos; e o que todo homem é, que também é o ilimitado. Osso de seu osso é o homem, coração de seu coração, sangue de seu sangue, substância de sua substância. Ele está eternamente em casa dentro do ilimitado Todo, espiritualmente unido com todas as coisas; porque todas as coisas saem da mesma fonte do Ser e todas as coisas retornam, depois que qualquer ciclo individual está terminado, para aquela mesma fonte, somente para por de novo em circulação uma peregrinação ou curso de evolução ainda mais sublime que a precedente. É contudo concebível que os poderes espirituais que são, qual regra e inspírito do universo e preenchem-no com luz e vida, com orientação e inteligência, da qual nós os seres humanos somos reflexos inferiores, poderiam existir como a maioria certamente existe, e ainda havia deixado a raça humana inteira, desde seu aparecimento na terra, sem orientação espiritual e sem ensino espiritual, até que um certo menino judeu nasceu há uns dois mil anos?

Que limitada, insana, e consequentemente repulsiva ideia! A antiga doutrina de um deus vivo no âmago do âmago de cada ser humano conta-nos em notas vibrantes uma história muito diferente;  pois nossos corações e mentes, quando os consultamos separados dos preconceitos e conceito deturpado e isento de educação, vibra com simpatia imediata à doutrina da habitação da divindade no âmago de todo ser. Quão familiar é esta doutrina do deus que habita em nossos corações! Eu lhes falo com toda a seriedade de minha alma que no coração do coração de cada um de vocês mora um deus vivo e inspírito do qual vocês como seres humanos são débeis expressões, debilmente manifestam os poderes divinos da divindade individual interior. O que dizem as escrituras Cristãs sobre este ponto: "Não sabeis que sois um templo da divindade viva e que o espírito divino habita dentro de vós"?

   De Jesus o Avatar também é dito ter ensinado que todo homem podia se tornar como ele, e como ele fez, assim também eles poderiam manifestar publicamente os poderes divinos de dentro. Mas em vez de aceitar esse ensinamento sublime, entre outros de bonitas doutrinas e ensinamentos do Cristianismo espiritual, os homens batalharam por dogmas, opiniões, palavras, frases, e teorias; de forma que alguns campos de batalha medievais de países europeus foram inundado com escorne humano, vertido porque os homens insanamente discutiam sobre o sentido de palavras. Como poderia ser de outro modo? Perca-se o espírito, e perde-se a visão, e perdendo a visão perde-se a alça da verdade, da compaixão, da paz, do amor, e da fraternidade.

Vemos Jesus chamado o Cristo como tendo sido um dos mestres teosóficos do seu tempo. Nossas doutrinas falam de uma longa linha de tais mestres que se estende retroativamente dentro das névoas escuras da antiguidade e toma uma direção inversa até aos dias atuais - uma longa linha de grandes videntes e sábios, cada um se tornou um com sua própria divindade interior, com o deus de dentro, o Christos imanente, o Buda interno; e tendo se tornado assim um com a divindade interna, eles aprenderam todo o conhecimento necessário porque eles o viram, e daí adiante puderam ensinar a verdade.

Os ensinamentos atribuídos a Jesus no Novo Testamento não são novos. Você não achará uma única coisa nova em todo o alegado ensino de Jesus; e nisso jaz a esplêndida prova no sentido da missão de Jesus na terra. Ele ensinou as mesmas velhas doutrinas da sabedoria que foram dadas aos primeiros humanos aeons protoplastas e aos aeons no passado evolucionário distante, pelos seres espirituais que desceram no meio da humanidade e trabalharam com eles e os guiaram e os ensinaram. E degenerado ou deliberadamente cego é o homem que, depois de estudar os registros de história, religioso e filosófico, não vê os rastros, a insígnia, escritos pela e através da vida humana em chama espiritual, difundindo os ideais, o espírito do que estes grandes seres ensinaram.

Jesus ensinou teosofia até certo ponto e em palavras apropriadas à sua era. Ele era o mestre teosófico das pessoas para quem ele veio, mas um muito grande e nobre; para diversos mestres entre eles, da mesma maneira que os homens comuns fazem. Há os mestres comuns, vem depois o maior, então o ainda maior, e finalmente o maior dos maiores, se você aprecia chamá-los assim; mas sua hierarquia não para aí.

"Não creiais", disse antigamente em substância o sábio sírio para seus discípulos, "quando os homens vêm até vós e dizem: "Eia! eu sou o Cristo, me siga!".  Ou quando um outro vem e diz: 'Eia! eu sou o Cristo, me siga!' Não acrediteis neles". Mas quando alguém vem diante de vós, em nome do Cristo-espírito, e vos diz que sigais a verdade os quais  tocando tons que são ouvidos em todo coração normal de homem, e que falam no nome do deus de dentro, no nome do Cristo interno, no nome do Buda interno, então, disse em substância o sábio sírio, "Ele é a mim próprio. Segui-o".

 

 

início do livro             página anterior                 página seguinte

 

  

 ® DIREITOS RESERVADOS - LEI 9610 dos Direitos Autorais, de 1998.